segunda-feira, 13 de junho de 2011

A COMUNICAÇÃO DIGITAL NAS POLICIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

Comunicação digital

Tecnologia de ponta impede interceptação de dados policiais

O Governo do Estado leva às cidades do Interior, com altos índices de criminalidade, um moderno meio de comunicação via rádio digital. Somente em 2008, o investimento no projeto foi de R$ 21 milhões. No biênio 2007-2008, foram investidos pelo menos R$ 67,4 milhões na compra de equipamentos e em serviços de infraestrutura para instalações do sistema, cujo início de implantação ocorreu em 2003.
A radiocomunicação digital permite a intercomunicação das polícias Militar, Civil e da Superintendência da Polícia Técnico-Científica – por meio da integração de redes específicas, visando realizar operações conjuntas. O compartilhamento de dados só é possível por meio do sistema digitalizado e visa obter melhores resultados no atendimento à população. Os resultados são mais segurança e agilidade no trabalho dos policiais.


Como funciona – Toda conversa via rádio digital é criptografada, ou seja, não pode ser interceptada. Além da voz, a via digital permite o fluxo de imagens e dados. A composição do sistema de radiocomunicação é feita por módulos, subsistemas e milhares de equipamentos sem os quais não seria possível a transmissão de informações entre os policiais.
Esses componentes ficam situados em locais comuns às corporações, que usam a mesma estrutura de equipamentos para operar o sistema, tendo em vista o atendimento às demandas. Os equipamentos fazem parte de um amplo sistema de telecomunicações, que envolvem rádios, modems, centrais telefônicas 190 e 197, roteadores, repetidores, canais de alta velocidade e inúmeros programas de computador.
O sistema de radiocomunicação digital forma uma "infovia". Assim que é implantada, essa via permite que cada uma das polícias adquira seus terminais (de rádio, de dados, de imagens, de voz), sempre tendo em vista o potencial do sistema, que é analisado previamente. Periodicamente, a estrutura de equipamentos é atualizada para que o sistema continue em operação. Essa atualização inclui a aquisição de novos equipamentos com o objetivo de aumentar sua capacidade e garantir o tráfego de dados sem gerar colapso com a inserção de mais terminais de rádio ou computadores embarcados em viaturas.
Dentre os benefícios trazidos pelo sistema de radiocomunicação digital, estão: a eficiência, a flexibilidade e clareza nas comunicações e a potencialização dos recursos humanos e materiais. Usando a via digital, por exemplo, a Polícia Militar tem mobilidade e flexibilidade para reagrupar a frota de veículos e o número de policiais nas suas ações de combate ao crime, como o despacho de viaturas em situações emergenciais.
Viaturas equipadas
Algumas viaturas estão equipadas com palmtops ou notebooks, além de rádios digitais. Veículos de pequeno porte recebem palmtops. Tudo isso para consultas online de placas de veículos, tipos de armamento e identidade de pessoas.
As viaturas equipadas com o sistema digital de radiocomunicação funcionam como uma espécie de central de inteligência. No local da ocorrência, o policial pode, por exemplo, pesquisar um veículo, uma arma ou uma pessoa que está sendo abordada. É possível também iniciar o registro da ocorrência, sem usar a voz, pelo sistema de radiocomunicação digital.
Investimentos na radiocomunicação na atual gestão
A comunicação por via digital, nas regiões de Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e Piracicaba, representou o investimento de R$ 48,64 milhões em 2007. Os municípios vizinhos a essas cidades, sedes de Deinters (Departamento de Polícia Judiciária do Interior) e CPIs (Comando de Policiamento do Interior), que também estão com o sistema em fase final de implantação, são Hortolândia, Limeira, Santa Bárbara D'Oeste, Americana, Nova Odessa, Monte Mor, Sumaré e Sertãozinho.
A expansão do sistema nas regiões da Baixada Santista e São José dos Campos (Jacareí e Caçapava) recebeu, em 2008, o investimento de R$ 7 milhões e R$ 1,7 milhão, respectivamente, para equipamentos e serviços de infraestrutura. Ainda em 2008, a região de Sorocaba obteve o investimento de R$ 12,28 milhões para a implantação do sistema.
Em 2009, foi iniciada a implantação o Sistema Digital de Radiocomunicação na região de Presidente Prudente – Presidente Bernardes, Presidente Prudente, Martinópolis, Tupi Paulista, Dracena, Junqueirópolis, Caiuá, Presidente Venceslau e Marabá Paulista. O término da implantação está previsto para o final de 2010 e o investimento total estimado é de R$ 27 milhões. Além das cidades do interior, para 2009, o Governo do Estado prevê o investimento de R$ 15 milhões para a atualização (harmonização) do sistema na Capital e na Região Metropolitana de São Paulo.
Em 2010, a previsão é investir R$ 10 milhões na implantação da radiocomunicação digital em Bauru, Pirajuí, Reginópolis, Balbinos, Presidente Alves, Avaí, Agudos, Pederneiras e Lençóis Paulista.
Histórico
Em apenas seis anos, de 2003 a 2008, o Governo do Estado investiu, por intermédio da Secretaria da Segurança Pública, R$ 359,4 milhões na radiocomunicação digital. Os investimentos na nova tecnologia foram iniciados em 2003, com a contratação do serviço de radiocomunicação digital - padrão Apco 25.
Em 2004, foram gastos R$ 24 milhões para a implantação do sistema em Santos, Campinas e São José dos Campos. Em 2005, foram investidos ainda R$ 52 milhões para a implantação na região metropolitana de São Paulo (Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Rio Grande da Serra, Ribeirão Pires, Guarulhos, Osasco, Carapicuíba, Barueri, Jandira e Itapevi).
Em 2006, a Polícia Militar começou a testar o Sistema de Radiocomunicação Digital. Nesse ano, o Governo do Estado investiu mais R$ 214 milhões para dar continuidade ao processo de implantação do sistema na Capital e Região Metropolitana (Caieiras, Cajamar, Francisco Morato, Franco da Rocha, Mairiporã, Arujá, Santa Isabel, Pirapora do Bom Jesus, Santana de Parnaíba, Embu-Guaçu, Itapecerica da Serra, Juquitiba, São Lourenço da Serra, Cotia, Vargem Grande Paulista, Embu, Taboão da Serra, Biritiba-Mirim, Guararema, Mogi das Cruzes, Salesópolis, Ferraz de Vasconcelos, Poá, Suzano e Itaquaquecetuba).
A radiocomunicação digital está em fase final de implantação nas regiões de São José do Rio Preto, Piracicaba e Ribeirão Preto. O sistema foi adquirido em 2007, com um investimento de R$ 48,64 milhões.
Em 2008, deu-se o início da implantação da radiocomunicação na região de Sorocaba e sua expansão nas regiões de Santos (Guarujá, Bertioga, Cubatão, Praia Grande e São Vicente) e São José dos Campos. É o mesmo padrão de comunicação já utilizado pelas polícias na Capital, nos 38 municípios da Grande São Paulo.
Intercomunicação das polícias
O Centro de Telecomunicações da Polícia Militar de São Paulo (CSM/MTel), juntamente com a Diretoria de Telemática (DTel) e com o Centro de Processamento de Dados (CPD), patrocina cursos para desenvolver nova cultura interna, voltada ao aperfeiçoamento do policial militar em Gestão da Tecnologia da Informação (GTI).
A Polícia Civil também investe no treinamento de pessoal. As instalações da Central de Operações da Polícia Civil (Cepol), da Dicom (Divisão de Comunicações), e do Departamento de Inteligência da Polícia Civil (Dipol), nos 19º e 20° andares do Palácio da Polícia Civil, na Capital, foram reformadas em 2007, com recursos do governo estadual. No Dipol foi instalado um laboratório de treinamento de última geração, que é utilizado para ensinar os policiais civis a manusear os novos equipamentos.

FONTE:

http://www.ssp.sp.gov.br/acoes/acoes_radio-digital.aspx